domingo , abril 23 2017
Últimas Notícias

Rock in… Bahia?!

EU VOU…

Começar mais um artigo de puro ódio e revolta!

É isso mesmo, galera. Confesso que andei um bom tempo sem idéias para artigos (na verdade, eu tenho algumas idéias há um bom tempo, mas queria guardá-las para mais tarde). Mas uma recente discussão que presenciei e participei no facebook me iluminou e me influenciou a escrever sobre tal revolta.

Acho todos vocês devem estar cientes do evento que está rolando agora lá na terra dos cariocas né? O Rock in Rio (fuck yeah!). Pelo menos foi assim que o nomearam. Segundo conhecimentos “wikipedíacos” uma parte do conceito de rock é: suas raízes se encontram no rock and roll e no rockabilly que emergiu e se definiu nos Estados Unidos da América no final dos anos quarenta e início dos cinquenta, que evoluiu do blues, da música country e do rhythm and blues, entre outras influências musicais que ainda incluem o folk, o jazz e a música clássica. Todas estas influências combinadas em uma simples estrutura musical baseada no blues que era “rápida, dançável e pegajosa”.

Agora vem cá… Claudia Leitte, Ivete Sangalo, Cidade Negra, Timbalada, Rihanna, Shakira, Carlinhos Brown, sem comentar outras tristezas, têm algo a ver com esse evento? Pelo menos foram algumas das desgraças que me informaram que estariam marcando presença lá (com marcando presença eu quero dizer “tocando” para a galera). Me expliquem o que BOSTA Claudia Leitte vai fazer no Rock in Rio?! Opa opa opa, eu sei! Angariar dinheiro para os organizadores do evento!

Então, já deu para perceber o que rolou na discussão que comentei lá no início?

Tudo começou com minha amada namorada fazendo um inocente comentário no facebook:

“Não entendo pq no Rock in Rio, na cidade do Rock, irá tocar Claudia Leite, Maria Gadú, Justin Bieber, Timbalada dentre outros. Será que não deveria mudar o nome do evento?”

Eu simplesmente não vi nada pejorativo neste comentário, ela simplesmente sugeriu que mudassem o nome do evento, pois muita coisa que iria tocar lá não tinha nada a ver com a essência do mesmo. E concordo totalmente com ela.

[Bem, aqui deveria ter a extensa discussão que rolou sobre o comentário acima, mas como a pessoa que defendia o axé e pagode no Rock in Rio não entendeu o sentido generalizado que tentei mostrar aqui, e, mesmo com qualquer informações sobre a mesma ocultada, se sentiu muito ofendida resolvi retirar toda esta parte daqui. Quero deixar claro que o objetivo do Intolerável não é depreciar ninguém, e sim discutir e debater assuntos que nos frustam. Também quero explicar, para os que não compreenderam, que os comentários desta pessoa, anteriormente postados aqui, não se referiam à ela, era uma generalização de todos pagodeiros (afinal todo pagodeiro argumenta daquela maneira). Aquele era um material ÚNICO que eu possuia, e minha intenção nunca foi dirigir meus argumentos à pessoa que coletei os comentários. Se eu quisesse fazer isso eu teria a exposto e falado que ela era isso, isso e aquilo, porque eu não suporto falsidade e intriguinha de criança, então se eu tenho algo contra alguém eu falo mesmo! O que nunca foi o caso aqui, eu nunca tive nada contra essa pessoa, nunca presenciei ela fazendo nenhuma das merdas que citei que os pagodeiros, em geral, fazem. O objetivo foi pegar os argumentos dela e generalizar como se "TODOS os pagodeiros estivessem discutindo aquilo". O que, infelizmente, foi mal interpretado por alguns, então resolvi retirar em respeito à pessoa e para que outros não entendam da maneira errada.

Infelizmente, pela má interpretação, acabei (sem intenção alguma) chatiando uma pessoa e tendo que cortar uma boa parte deste artigo. Mas é isso ae gente, pelo menos aprendi que, por mais chato e estúpido que pareça terei que explicar TUDO que eu escrever daqui em diante. Tomei essa decisão porque não é o primeiro caso de má interpretação que tenho aqui, se vocês visitarem os artigos anteriores podem ver vários comentários que não condizem nada com o que tentei passar.]

Quando pensávamos que estava tudo acabado… a wild fuckin’ asshole appears!
Um maluco, que nomearei de Jocivaldo, aparece e comenta:

rock_in_rio_17

aham, senta lá Cláudia!

Novamente peço pra o senhor olhar os primórdios do evento, ok? Cara, seu argumento de Lisboa foi o máximo, sinceramente… Não me orgulho não, próximo argumento! Não calarei minha boca, o festival “Metaleiro do Inferno 666″ só rola em 06/06/3006, se eu conseguir a vida eterna sacrificando bebês eu estarei lá. Melhores do mundo é um grupo que acha que é engraçado. Algo mais?

Então, essa foi a conversa amistosa que presenciei na rede social que ainda não criou o botão “Não Curtir”, o “Fuck Off”, “Sua Mãe é Minha” e “Mopa” (Jocivaldo merece um “Mopa” né?). Alguém teve a paciência de lê-la até o final? Acredito que pagodeiros e afins que entrarão nesta postagem vão ler 3 linhas, pular tudo e começar a me xingar, usando os mesmos argumentos ignorantes e sem fundamentos de sempre.

Qual a moral da história?
Primeira: nunca discuta com um pagodeiro, ele nunca entederá seus argumentos, responderá sempre a mesma coisa, insistirá em frases de 1ª série, e NADA construtivo será extraído da conversa.
Segunda: no final, o que estávamos tentando defender, para os que não entenderam, é que realmente pagode, axé e bostas sinônimas são preferência neste país decadente, e com certeza a quantidade de shows e eventos que promovem este tipo de lixo é bem maior que qualquer outro, mas vale lembrar que existem pessoas com gostos e preferências diferentes, que também gostariam de prestigiar e curtir um show de suas bandas preferidas sem interferência de coisas que não gostamos. Mas esta é uma oportunidade quase nula, porque os organizadores deixam a essência (e talvez, digamos, a alma) do evento de lado para terem olhos para o dinheiro, e nada mais. Isso que acaba destruindo o que o evento realmente representou. Afinal eu nunca vi eventos como pré-caju chamarem bandas de um estilo diferente de tudo que já fizeram, pois, como o nome diz, é uma prévia carnavalesca de Aracaju, então tocará músicas dignas de carnaval. E o que aconteceu com o já comentado show de Metallica no Festival de Verão de Salvador? O povão reclamou alegando que este estilo musical não combinava com o evento e a banda foi excluída. Mas isso não tem nada a ver com o Rock in Rio, né? Eu tou pouco me fodendo se “Rock in Rio” é uma porra de uma marca, se for, tá errada! A discussão se formou em torno do nome de um evento que não condizia com o que ele oferecia (e realmente não condiz, tem que ser muito retardado pra não concordar), mas certas pessoas com problemas de interpretação e lógica acaba desvirtuando tudo.

É o seguinte, eu e todos que não suportam pagode, forró, axé e afins somos obrigados a conviver cercados disso o tempo todo, a toda hora e em todo lugar, nunca parei ninguém para reclamar do seu gosto e pedir pra baixar o som porque estava incomodado, afinal eu respeito seu gosto (mesmo que seja o mesmo de um pacote de estrume),o que não é recíproco. Podem reparar que se você chegar em um local com seu carro tocando uma música visivelmente de rock (melhor ainda se for internacional) as pessoas já te olham estranho e feio como se você fosse o diabo em pessoa. Então eu tenho o direito sim de reclamar do que eu quiser quanto à esses energúmenos nojentos, egocêntricos e ignorantes, não vou me calar não, que eu não sou você, um manipulado babaca que vive no mundinho onde você é o rei e todos devem se ajoelhar e concordar contigo. Faça-me o favor de aproveitar que já está com o mouse na mão e enfiá-lo no cu, quem sabe a dor não ative alguns de seus neurônios e você acorde da sua vidinha miserável e perceba o quão estupidamente você age. Que suas danças e sons tribais não passam de danças de acasalamento onde até o inseto mais repugnante consegue fazer melhor. Que suas intituladas ”negas” só não são prostitutas porque não cobram para chupar o pau de vocês. Que o carrinho que papai lhe deu e você leva pro posto ou queima o pneu no sinal não passa de um pedaço de metal utilizado pra transporte, não é troféu que alguém se vangloria. Pessoas de verdade ganham troféus por atos de sabedoria e esforço que trazem algum bem. O melhor que vocês podem fazer é botar a cabeça embaixo do pneu e pedir pro seu amigo arrancar, e se eu tivesse presenciando eu filmava e postava o vídeo com o título “Pagodeiro que merece ganhar um Nobel”.

OBS: quero ver todos comentando aqui. Todos mesmo. Quero ver mais argumentos desse tipo, por favor eu preciso de mais material para meu artigo sobre esse tipo de gente. Sério, comentem sem medo, eu vou aceitar qualquer comentário. Não me ofendo com xingamento de acéfalos não, não se preocupem que irritado eu não irei ficar.

Conclusão: Rock in Rio deveria mudar para “Mopa in Rio”

Bônus: para os que possuem esperança de não se tornar um peso morto, leiam isso AQUI.

Sobre J

Mais um humano entre muitos outros, intolerando a ignorância alheia.
Scroll To Top